Seguidores

Siga por Email

quarta-feira, 29 de abril de 2009

BLoGaGeM CoLeTiVa: O FiLMe Da MiNHa ViDa Do BLoG FIO DE ARIADNE

Filmes podem nos marcar pela sua beleza ou sua tristeza.
Este me marcou pela sua frieza.
Em Fevereiro de 1984 ao sair da sessão de cinema deste filme, nos meus antigos (?) 25 anos fiquei tão estupefada que escrevi um poema (transcrevo-o abaixo).
O filme me marcou tanto a ponto de duas quadras a frente eu ainda não conseguir pronunciar nem mesmo uma palavra, era um verdadeiro zumbi juvenil, e os que estavam ao meu lado me parecia iguais a mim.
O filme em questão era The Day After (O Dia Seguinte),os que o viram e lembram provavelmente tiveram a mesma reação que tive.
Aos que não viram, o mesmo tratava do assunto mais temido da época, a Guerra Nuclear.
Hoje, porém, revirando minhas anotações em minhas gavetas desarrumadas, ou talvez até revendo o filme , minha reação talvez seria outra.
Pois paro e analiso que realmente o que é a Guerra Nuclear hoje?
Somente uma lembrança distante, um medo esquecido.
Pra mim, e muitos cariocas ou brasileiros não é nada perto da guerra urbana diária a qual se submetem a cada saída de casa.
Cada ida e vinda é comemorada como um renascimento; Sim, escapei, retornei a minha trincheira sem ser abatido pelo inimigo.
Remeto-me a tempos passados, saudosistas, quando em meus medos da juventude a única temeridade era a Bomba Nuclear.
Que saudades destes tempos, onde não existiam balas perdidas zunindo a cada esquina, sequestros eram de pessoas abastadas, poderosas e não relâmpagos que somem com pessoas comuns somente por retirar seus míseros trocados da maquininha eletrônica.
Gangues eram coisas de filmes da máfia, crack(craque)indiferente da grafia era um bom jogador de futebol, Ar-15, Glock, eram palavras usadas pelos policiais da S.W.A.T. no seriado americano, balas à esmos eram doces destribuídos no dia de Cosme e Damião.
Desculpem.
Voltemos ao filme; o Diretor Nicholas Meyer, o responsável pelos dois melhores filmes de Jornada nas Estrelas (Parte II e Parte VI) construiu em O Dia Seguinte um clássico controverso e impressionante que marcou os anos 80.
Mostra ele com toda clareaza e frieza o que aconteceria se os EUA e a União Soviética tivessem desencadeado a Guerra Nuclear.
E não digo mais nada pra não estragar a surpresa dos que ainda não viram, mas aviso é um pouco assustador(ainda).
Perdoam-me os que acharam que aqui estaria um filme mais ameno, porém, foi este que ficou marcado em minha memória.


Informações Técnicas

Título no Brasil: O Dia Seguinte
Título Original: The Day After
País de Origem: EUA
Gênero: Ficção
Tempo de Duração: 126 minutos
Ano de Lançamento: 1983
Direção: Nicholas Meyer


Aos que ficaram curiosos, segue o texto que escrevi após ver o filme.








The Day (O Dia-A bomba zomba da tonta pomba)


Pais,
País,
Paz.
Na praça que passa,
O velho vejo.
Baba na barba.
Branco no banco.
Espera o fim da esfera.
A guerra que ferra,
Que fere a Terra.
Que espera sentada,
Sem nada,
Quase acabada.
Aniquilada.
De repente
Um tremor sente.
Explode.
Acaba com o que pode.
(E com o que não pode)
Lindo é o desenho no ar,
Mas não consigo mais respirar.
Aquele que a vê,
Nunca mais poderá ver.
Aquele que escuta,
Tem uma vida curta.
Acaba ali,
Sem nada ouvir.
O que viveu,
Inveja o que morreu,
Pois além de tudo ter escapado,
Fica mudo, ali sentado.
Esperando ela,
Aquela leve,
Escura mas clara,
Chumbo ou neve?
Como deve ser ela?
A radiação.
Como um som
Ocupa o espaço,
Por ela passo,
Passo a passo.
Nada faço.
Já está em mim
E é o fim até o fim.
O que resta não presta.
Contaminado ou aniquilado.
Quem foi o primeiro?
O segundo?
O terceiro?
Tinha terceiro??
Resumo do mundo
Agora imundo.
A pomba não venceu a bomba.
A bomba zomba da tonta pomba.
(Por que não, a pomba zomba da tonta bomba que tomba?).
Quero ar,
Quero respirar,
Quero o mar,
Quero escapar,
Quero me retirar,
Quero parar,
Não quero esperar
O mundo acabar,
Com a terrível.
Guerra Nuclear.



escrito em 24.02.84


FaBiaNa GuaRaNHo

quarta-feira, 22 de abril de 2009

22 De aBRiL - Dia Da TeRRa

22 de abril - Dia da Terra


imagem da web

Não há como esquecer.
Assim como o Descobrimento do Brasil, o Dia da Terra é celebrado em 22 de abril.
O Dia da Terra foi criado em 22 de abril de 1970 pelo senador americano Gaylord Nelson.
Nessa data, Gaylord Nelson liderou o primeiro protesto nacional contra a poluição.
Participaram mais de 20 milhões de pessoas.
Somente a partir da década de 90, o Dia da Terra começou a ser adotado em outros países, tornando-se uma das datas mais importantes na luta pela preservação ambiental.
A luta pela sua preservação é o mais importante.

Lute.




Terra

A Terra que meus mortos enterra
A Terra que meus prantos encerra
A Terra que meus corpos recebe
A Terra que meus cantos percebe
A Terra
Redonda ronda a lua
Rondando na escuridão flutua
Plainando no véu do universo
Entre versos e regressos
Nua
Na rota do infinito
Cada volta um progresso
Um verso
Cada volta um dia
Adia a minha partida
Um dia
Finito
E de cima a avisto
Eu flutuo
Nua
Por sobre a Terra
Avisto tão bela
Quão azul
Quão plena de vida
Terra magnífica
Azul Pacífica
De longe és mais bela
De cima és mais vista
Um dia a ti regresso
Um dia em ti retorno
Me incluo no entorno
De tuas belas paisagens
Em outras passagens
Viagens
Pra ti volto
Esfera repleta de vida
Planeta de pensamento revolto
Solto
Um dia
Terra querida
Volto.


FaBiaNa GuaRaNHo

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Crônicas do Raposo

Raposo, o Idoso Odioso.
(Primeiro dia dos 65)

Raposo era um cara comum, brasileiro, carioca, descolado, arquiteto, surfista e com um humor ímpar.
Viveu sessenta e quatro anos, trezentos e sessenta e cinco dias e sessenta minutos querendo que esse dia chegasse, e chegou.
Chegou enfim, seu sexagésimo quinto aniversário.
Que beleza!
Não que ele gostasse de ser idoso, muito menos de ser chamado de idoso.
Seus cabelos soltos, castanhos claros, onde os fios brancos pareciam brilhos do sol, pele queimada das inúmeras horas nas areias do Recreio e suas roupas de surfista recém saído do seriado Magnum não somava esta quantia.
Hoje era o dia, que felicidade radiante completar os sessenta e cinco anos e ser um idoso com passe livre em qualquer lugar.
Nunca mais pagar ônibus, meia no cinema, meia no teatro, meia no show do Kiss, meia em qualquer lugar.
Fila de banco então, nunca mais.
Agora era sua vez, em vez de ficar horas dentro da agência do banco se sentindo o próprio Barrichello sendo ultrapassado por todas vovós e vovôs que resolveram furar a sua fila, ele agora seria o Schumacher, iria pra Pole Position.
Passou a ir ao banco todo dia só pra sentir o prazer de ouvir os sussurros entre dentes dos abestados na fila:
“Olha a cara de pau desse cara, ele não tem 65 anos nem aqui nem na China!”
Como fazia bem pro seu ego.
Sentia-se um garotão.
Era um garotão.
Raposo tinha um gato, o Jean Claude.
“Me perdoa Raposo, mas isso é nome de gato afrescalhado”.
“Então chame pelo sobrenome; Van Dame”.

Ele era assim, curto e grosso.
Jean Claude se achava um cachorro, foi criado como tal.
Vai agora botar na sua cabecinha felina que ele não o é.
Bom, mas Jean Claude é outra estória, depois eu conto.
Hoje Raposo saiu de casa pra curtir sua liberdade cronológica.
Pegou um ônibus, não importa pra onde, não pagou a passagem mesmo.
Já valeu.
Entrou pela porta normalmente, mostrou sua carteira e pimba, passou, que maravilha!
Sentou, ao lado de um par de coxas deslumbrantes, pensou; “Hora de rolar aquele papo mole”.
“E ai gatinha, indo pra onde? Pra praia?”
“Não vovô, tô indo pro Hospital, trabalho lá, quer que eu acompanhe o senhor até lá?”
“Que isso gata, sou inteirão, jogo vôlei com a tchurma na praia todo dia, morou?”
“Ah, o Senhor me desculpe, mas vi sua carteirinha achei que o senhor estava indo pra fila do Posto de Saúde.”
É, Raposo, tudo tem seu preço, mas tudo bem, pelo menos não pagou o ônibus.
Mas adiante, o ônibus começa a lotar, uma velhinha se equilibrando com sua bengala, apóia logo aonde?
No Tênis Nike branco, novo do Raposo.
”Caramba acabei de comprar, que m...”
Olha com aqueles olhinhos amarelos e sorriso de quem-quer-sentar-no-seu-lugar.
Tudo bem, Raposo se levanta, afinal ele é um garotão educado, acabara de explicar a gata ao lado.
“Pode-se sentar aqui madame.”
A idade é relativa e tudo tem seu preço.
Lá vai ele, em pé, balançando, sacudindo, escorregando, mas pra onde está indo mesmo?
Sabe lá, pegou o primeiro ônibus que viu pela frente com o entusiasmo de ser o primeiro de graça.
“Caramba, CENTRAL, tá escrito na plaquinha, por isso o negócio tava tão cheio, mas o que vou fazer na CENTRAL? Saco!”
“Bem agora já tô, fico.”

Saltou no ponto final, ou melhor ‘foi saltado’, nem que quisesse conseguiria ficar ali dentro.
Como cabe tanta gente num treco desse a essa hora ainda não sabe.
Parou numa loja de bugigangas, e pronto, estacionou uma vendedora no miléssimo de minuto seguinte.
“Posso ajudar o Senhor em alguma coisa?”
“Pode minha filha, vai lá em casa e pega meu óculos, pra eu poder ver o preço dessa droga aqui.”
“Agora chispa, se eu quiser algo eu chamo”.
Tem coisa mais chata que entrar na loja e chegar junto logo uma vendedora?
Raposo detestava isso.
Na falta do que fazer no Centro da Cidade, comprou uma escova de dente e foi embora.
Atravessou a rua pra pegar o ônibus de volta e pensou:

“Eu num pago mesmo, vou voltar de frescão.”
Voltou.
Pegou uma gripe desgraçada.
Afinal bermuda e camiseta, naquele frigorífico só com gripe mesmo.
Melhor ir pra casa, tomar umas vitaminas C e cama.
Ver um filmezinho depois da novela e pronto.
Chegou.
Abriu a porta.
E click, cadê a luz?
“Droga”
Hoje não era o dia do Raposo.

domingo, 19 de abril de 2009

19 De aBRiL- Dia Do íNDio

imagem da web
Jorge Ben Jor

Xô Cara Pálida
Cara Pálida
Cadê a terra?
Minha terra
Cadê a árvore?
Tua árvore
Cadê os bichos?
Nosso irmãos
Cadê o céu?
Cadê o azul?
O sol?
A lua?
Cara pálida
Tirou de índio tudo
E o que fez?
Acabou com tudo.
A terra é a alma do índio
As árvores irmãs
Animais também
Até Curumim sabe disso
Mas Cara Pálida não
Tirou de índio
Pra acabar
Pra matar
Pra devastar
Pra secar
Por que?
Índio cuida
Índio ama
Índio quer tudo de volta
Índio quer o que é dele
E de todos
Mas nínguém cuida
Índio quer respeito
Índio quer a natureza
E bate no peito.
É minha.
E eu cuido.
Respeito.
Xô Cara Pálida
Se não cuida
Devolve que Índio
Sabe o que faz
FaBiaNa GUaRaNHo



sexta-feira, 17 de abril de 2009

Me iMPReSSioNei, Me eMoCioNei e Me iNCRiMiNei

CoM oS oLHoS Do CoRaÇão
imagem da web

Hoje peço permissão para contar um ato que aconteceu comigo.
Pela manhã recebi um e-mail com um link que me encaminhava ao site do YouTube, pensei ser mais uma apresentação de algum vídeo comum que uma amiga compartilhava comigo.
Porém foi mais, pois me impressionei, me emocionei e me incriminei.
Me Impressionei, pois não esperava ver o que vi, não esperava como ninguém ali naquele auditório nada daquela senhora de 47 anos, um pouco desajeitada em seu corpo "quadrado" de inglesa de terceira idade, seus cabelos brancos rebeldes, seu andar um tanto desequilibrado, quase cômico e seu jeito de caipira britânica que não espera muito da vida.
Me Emocionei, pois com seu jeitinho simples sem ligar para risos jocosos, olhares maldosos, gargalhadas acusatórias, fez seu trabalho confiando plena e unicamente em si mesma.
Me Incriminei, pois eu também não esperava nada desta senhora, assim como todos, ou grande maioria, eu também ri, sorri e esperei ver mais um vídeo de algum coitado que é esculachado pelos senhores do júri.
E pensei; como analisamos de pronto somente o invólucro de todos e de tudo.
Como somos cegos de espírito.
Como somos preconceituosos.
Quem de nós aqui já não fez o mesmo?
Quem já não entrou em um blog mais "simplesinho" e somente foi embora sem olhar seu conteúdo, sem ler suas linhas e pensamentos?
Hoje aprendi muito com essa senhora, ela merece ganhar o prêmio, seja lá qual for, mas se não o ganhar já fez um enorme favor a mim, me fez enxergar meus próprios preconceitos e aprender a olhar com os olhos do coração.
Aconselho a quem queira aprender alguma coisa que visitem o vídeo de Ms. Susan Boyle esta jovem senhora que teve a coragem de desafiar a todos e cantar no programa do dia 11 de abril de 2009 no Britain's Got Talent , um programa de caça talentos (versão Inglesa do American Idols).
A cara das pessoas e principalmente dos jurados e suas palavras após sua apresentação fizeram com que aquelas gotinhas assanhadas que insistem em virar queda d´água em minha face virassem cachoeira.
Espero que você também goste.
E aprendam com ela , se precisarem.
Obrigada Susan Boyle.
Abraços a todos
Link do vídeo abaixo ou cliquem na imagem
FaBiaNa GuaRaNHo

SeLo ReCeBiDo

ReCeBi eSTe SeLo de 2 BLoGS aMiGoS



Do blog MÚLTIPLAS REALIDADES da Nanda.
E do blog COMPONDO O OLHAR
Meu muito obrigada pela lembrança, carinho, prestigio e amizade.
Regras:
1- Exibir a imagem
2- Postar o link do blog que o premiou
3- Publicar as regras
4- Indicar 10 blogs para receber o selo
5- Avisar aos indicados.
Meu indicados: (Estarei indicando em dobro pelos 2 selos, aproveitem e visitem são todos nota 10)

terça-feira, 14 de abril de 2009

BLoGaGeM CoLeTiVa:
TeMa: PRAZER

imagem da web



Prazer
Pra ter
Precisa ter
Querer
Querer sentir
Permitir
Amar
Doar
Dar
Prazer
Pra ser
Só prazer
Não precisa
Ter amor
Nem dor
Só querer
Ter
Prazer
Mas sempre
Precisa saber
Saber dar
Prazer
Saber receber
Prazer
Saber permitir
Prazer
Se permitir
Pra ser
Só prazer
Precisa viver
Viver a vida
Com prazer
Prazer
Em conhecer



FaBiaNa GUaRaNHo

segunda-feira, 13 de abril de 2009

15 De aBRiL – Dia NaCioNaL Da CoNSeRVaÇão Do SoLo


O Dia Nacional da Conservação do Solo é comemorado no dia 15 de Abril.

Instituído pela Lei n° 7.876, de 13 de novembro de 1989, a data propõe a reflexão sobre a conservação dos solos e sobre a necessidade da utilização correta deste recurso natural.

Quando o solo não recebe tratamento adequado ele pode perder suas propriedades naturais e se tornar infértil.

Para sua conservação, algumas medidas podem ser tomadas:


Conservação da vegetação nativa - Não praticando nenhum tipo de desmatamento

Combate à erosão - Feito através do sistema de curvas de nível em regiões altas, estas valetas absorvem a água, evitando assim as enxurradas que levam as terras.

Reflorestamento - Com o plantio em locais desmatados também combatemos a erosão.

Rotação de cultura - Dividir a área de plantação em várias partes deixando sempre uma área descansado e fazendo a rotação não esgotam-se os nutrientes do solo

Temos a responsabilidade de cuidar de nosso solo.
Sem o solo não somos
Sem o solo não temos
Sem o solo esgotam-se nossos meios
Sem o solo desgastam-se nossos seios
O seio da terra
O cio da relva
O solo é todo
O solo é tudo
O solo é seu
O seu
Solo
Conserve
Preserve


FaBiaNa GuaRaNHo

quinta-feira, 9 de abril de 2009

É NeCeSSáRio ReViVeR o SoFRiMeNTo DELE?


Não gostaria de aqui neste espaço entrar em discussões religiosas, pois todos temos as nossas e devemos respeitar a do próximo, porém devido a semana que adentramos muitas dúvidas me rodeiam a mente.

Primeiro a própria Semana Santa, a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

São sim passagens belíssimas, mas que nos remetem a dias sofridos, dias de penitência, calvários, agonia, morte, para enfim a ressurreição e a elevação espiritual de Cristo.

Me pergunto então se devemos sempre reviver estes dias tão amargos para nosso Salvador.

Porque não o lembramos sempre com alegrias, com clarezas, com crescimentos, com aprendizagens, com conhecimentos?

Tenho plena convicção de que seria isto que ele pediria a nós cristãos.

Sabemos que somos responsáveis pelo seu sofrimento, mas porque revivê-lo a cada ano? A 2009 anos?

A própria imagem de Cristo sempre crucificado, com a sua coroa a lhe ferir a fronte, pregos a lhe rasgarem a carne não me parece ser a maneira correta de lembrança.

Eu, particularmente, prefiro lembrar-lhe por seus exemplos e atitudes e tentar não cometer os mesmos erros de seus carrascos e algozes.

Por isso nesta semana que se inicia, seria bom que analisássemos e pensássemos que seria melhor revermos nossas atitudes.

Nesta semana vamos ser mais reflectivos, mas pensativos, mais ativos, mais altivos, mais condescendente, mas não vamos reviver a agonia de Cristo.

Devemos lembrá-lo sereno, perene, completo e amigo.

E que perdoem-me os que não concordam.

Mas peço a gentileza de permitirem-me a escrita e os pensamentos.

E se puderem troquem seus ovos de Páscoa por boas ações, valerão muito mais para nosso Salvador.

FeLiZ PáSCoa a ToDoS

terça-feira, 7 de abril de 2009

07 de aBRiL Dia MuNDiaL Da SaúDe

Você já caminhou hoje?
Você já meditou hoje?
Você já fez ginástica hoje?
Você já respirou hoje?
Você já pensou em você hoje?
Pois comece agora.
Aproveite que hoje é o
DIA MUNDIAL DA SAÚDE e cuide da sua.
Nós somos almas livres, porém temos a obrigação de cuidarmos de nossas máquinas.
Você coloca óleo no seu carro?
Você limpa sua TV?
Você recarrega sua impressora?
Você carrega seu celular?
Você troca a pilha de seu rádio?
Então porque não fazer o mesmo com a SUA MÁQUINA?
Cuide de seu corpo
Cuide de sua saúde.
Vamos nos mexer.
Vejam dicas de como cuidar da saúde no Portal da Saúde do Ministério da Saúde
SaúDe a ToDoS

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Há a eSPeRaNÇa (aMiGo aGRaDeCiDo)




DeNTRe o CaoS aiNDa Há a eSPeRaNÇa.

Surpreendo-me ainda hoje com os atos simples de solidariedade que vejo ao passar pelos caminhos que percorro.
São tantas as barbáries urbanas que temos que encarar em nossos noticiários, sejam digitais ou materiais, que cada pequeno ato deste nos acende a esperança amortecida em nosso íntimo mais remoto.
Não estou falando de atos de heroísmo ou bravura desenfreada, que muitas vezes acabam formando mais vítimas do que a própria barbaridade executada.
Não podemos vangloriar atos de reação a ação bandida como um ato de heroísmo, como a pouco tempo atrás, quando um policial a paisana ao ser abordado por ladrões que roubavam, sua moto, simplesmente sacou sua pistola e atirou contra os mesmos.
Sim ele os acertou, mas deixou vulnerável à sua reação várias pessoas inocentes que passavam ao redor, e o pior de tudo, ainda foi aplaudido por estas que estavam a observar.(aplaudiriam se tivessem sido alvejadas?).
Isto se passou em pleno bairro da Zona Sul do RJ, Gávea.
Não estou falando disso, porém, estou falando de um ato simples para muitos, mas que me poe a pensar que ainda temos pessoas "humanas".
Falo de algo que vi ao passar por dentro de uma das comunidades que passo todo os dias a caminho de meu trabalho.
Em meio a construções irregulares, esgotos a céu aberto, carros sem fiscalização, quebra-molas fora de padrão, moradores acharcados por milícias opressoras, e outros fatos talvez piores, porém não sabidos, me surpreendi com o ato de um senhor que se colocou a frente de vários carros que vinham em suas viagens solitárias, sem nem reparar ao redor, para que perdessem alguns minutos somente, de suas viagens e dessem passagem a um cansado e velho cão que queria atravessar ao outro lado da rua.
Este já manco, vítima talvez de outro algoz veloz, que por ali passou sem ter tempo para notá-lo.
Um ato simples dirão vocês, porém dentre o caos me pareceu um ponto de esperança.
Ainda temos pessoas que param suas vidas tão sofridas e atarefadas para pensar nestes seres que sempre são nossos melhores amigos e que muitas vezes são hostilizados e abandonados a própria sorte ou seria, má-sorte.
Prefiro ver um pequeno ato deste a cada dia do que os grandes que tenho visto nos noticiários dos jornais.
Mas atos como estes não dão manchete.
Atos como estes não são nem reparados.
Não são vistos.
São ignorados.
Eu vi.
E senti.
E agradeci.
Obrigada a estas pessoas que ainda acreditam em propagar o bem, não só aos semelhantes, mas a todos os seres que necessitam.
Como dizia nosso profeta:



Não vai embora ainda



Deixe um comentário, por favor!

aMiGoS Que Me NaVeGaM Na eSFeRa

CHEGOU O PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE ARQUITETOS, ENGENHEIROS E AFINS

VISITEM O POENARCO.
O PORTAL DA ENGENHARIA, ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO.

ShareThis